Ínicio > Gatos > Saude-felina > Gatos com sarna: Como proteger, quais os sintomas e o tratamento correto.

Gatos com sarna: Como proteger, quais os sintomas e o tratamento correto.

Gatos com sarna: Como proteger, quais os sintomas e o tratamento correto.

A sarna em gatos pode ser contagiosa, inclusive para humanos, e faz os gatinhos sofrerem muito com sintomas cruéis. Essa é uma doença de pele causada por ectoparasitas e não é exclusiva dos felinos, pois diversas espécies podem ser afetadas, inclusive nós.

Para você ficar por dentro de tudo sobre a doença, sintomas, tratamentos e contágio, separamos as informações mais importantes sobre sarna felina.

Como é transmitida a sarna?

O contágio da sarna acontece através de contato direto com o ácaro ou com outros animais infectados. A transmissão também pode acontecer por meio de objetos usados por animais com sarna.

O importante é que, você busque a ajuda de um veterinário assim que notar os primeiros sintomas para ter um diagnóstico preciso e começar imediatamente o tratamento.

O que é sarna otodécica?

A sarna otodécica é popularmente conhecida como sarna de ouvido, causada por um ácaro e muito contagiosa para outros gatos, mas não para seres humanos.

O ácaro fica concentrado na parte interna das orelhas, mas também pode marcar presença na parte externa (é possível notar através da queda de pelos). O principal sintoma é a coceira, além de pontinhos que podem ser facilmente vistos na região afetada.

Sarna Otodécica: popular sarna de ouvido

É comum que a sarna de ouvido seja confundida com a otite em gatos, pois são doenças com sintomas bastante parecidos. Por isso, a análise de um veterinário com exames específicos é indispensável.

A sarna, se não for devidamente tratada, pode se espalhar pelo corpo e causar muita coceira.

Sarna Sarcóptica: causada por parasita é contagiosa

Sarna Sarcóptica ou escabiose felina é vista com muita frequência nos cães de rua, é transmissível ao homem, mas é muito rara nos gatos. Também é conhecida como sarna vermelha por causar vermelhidão, crostas e escoriações na pele do animal.

Sarna Notoédrica

Esse tipo de sarna felina causa muita coceira e é conhecida também por escabiose felina. É pouco comum nos gatos, especialmente os domésticos.

Mas, se você adotar gato de abrigo ou de locais com grande aglomeração felina é bom checar, pois nesses lugares a transmissão é mais comum.

É transmitida pelo contato direto, e cães e humanos podem ser contaminados também.

A região da cabeça, orelhas e patas são geralmente as mais atingidas e, quando não tratada, ela causa crostas que sangram quando o animal se coça.

Sarna Demodécica

As lesões, nesse caso, costumam ser na área da cabeça, com coceira mais acentuada perto da orelha. Quando causada pelo ácaro D. cati, é mais comum em gatos já com imunidade baixa e não é contagiosa, nem para humanos e nem para animais.

Quando causada pelo D. gatoi, causa muita coceira e é contagiosa. O ácaro fica escondido na pele e é difícil de ser localizado, mesmo com exames. Causa, geralmente, queda de pelos.

Para que possamos identificar qualquer um dos tipos apresentados acima ou qualquer outro não citado, é importante que se façam exames no veterinário.

Sintomas da sarna em gatos

Muitas doenças podem ter sintomas parecidos, por isso é importante que, ao surgirem, o gatinho seja levado imediatamente ao médico veterinário. Esteja sempre atento ao comportamento do gato para notar mudanças que indiquem uma doença felina.

Quais são os sintomas da sarna em gatos?

  • Queda de pelo;
  • Pele avermelhada e, eventualmente, com feridas;
  • Coceira abundante, concentrada em locais específicos;
  • Descamação da pele;
  • Gato lambe partes do corpo com frequência onde tem casquinhas de ferida;
  • Secreção escura no ouvido;
  • Pontos visíveis na região da cabeça e orelhas;
  • Em casos mais graves, até mesmo sangramento pelo ouvido.

Tratamento da sarna felina

O tratamento da sarna varia de acordo com o tipo da doença, mas todos incluem parasiticidas, alguns de forma oral.

Em alguns casos, pode ser necessário o uso de antibióticos ou anti-inflamatórios.

A prevenção inclui usar parasiticidas mensalmente, recomendados previamente pelo seu veterinário de confiança.

Outra forma de proteger seu gatinho é não deixando que ele saia ou tenha contato frequente com animais de rua ou com locais possivelmente contaminados.

Se você adotar um gato, é importante que ele passe imediatamente por um veterinário para a proteção dele próprio, sua e de outros animais na casa.

Escreva um Comentário

Avalie o post: *

Comentários

Claudia Mamede de oliveira

Gostei muito.

Artigos Relacionados