Ínicio > Gatos > Saude-felina > Gatos com sarna: Como proteger, quais os sintomas e o tratamento correto.

Gatos com sarna: Como proteger, quais os sintomas e o tratamento correto.

Gatos com sarna: Como proteger, quais os sintomas e o tratamento correto.

A sarna em gatos pode ser contagiosa, inclusive para humanos, e faz os gatinhos sofrerem muito com sintomas cruéis. Essa é uma doença de pele causada por ectoparasitas e não é exclusiva dos felinos, pois diversas espécies podem ser afetadas, inclusive nós.

Para você ficar por dentro de tudo sobre a doença, sintomas, tratamentos e contágio, separamos as informações mais importantes sobre sarna felina.

Para começar, a sarna é dividida em vários tipos, que explicamos a seguir. O importante é que, em qualquer um dos casos, você deve buscar a ajuda de um veterinário assim que notar os primeiros sintomas para ter um diagnóstico preciso e começar imediatamente o tratamento.

Sarna Otodécica: popular sarna de ouvido

A sarna otodécica é popularmente conhecida como sarna de ouvido, causada por um ácaro e muito contagiosa para outros gatos, mas não para nós.

O ácaro fica dentro e fora das orelhas e o principal sintoma é a coceira, além de pontinhos que podem ser facilmente vistos na região afetada.

É comum que a sarna de ouvido seja confundida com a otite em gatos, pois são doenças com sintomas bastante parecidos. Por isso, a análise de um veterinário com exames específicos é indispensável.

A sarna, se não for devidamente tratada, pode se espalhar pelo corpo e causar muita coceira.

Sarna Sarcóptica: causada por parasita é contagiosa

Sarna Sarcóptica ou escabiose felina é vista com muita frequência nos cães de rua, é transmissível ao homem, mas é muito rara nos gatos. Também é conhecida como sarna vermelha por causar vermelhidão, crostas e escoriações na pele do animal.

Sarna Notoédrica

Esse tipo de sarna felina causa muita coceira e é conhecida também por escabiose felina. É pouco comum nos gatos, especialmente os domésticos.

Mas, se você adotar gato de abrigo ou de locais com grande aglomeração felina é bom checar, pois nesses lugares a transmissão é mais comum.

É transmitida pelo contato direto, e cães e humanos podem ser contaminados também.

A região da cabeça, orelhas e patas são geralmente as mais atingidas e, quando não tratada, ela causa crostas que sangram quando o animal se coça.

Sarna Demodécica

As lesões, nesse caso, costumam ser na área da cabeça, com coceira mais acentuada perto da orelha. Quando causada pelo ácaro D. cati, é mais comum em gatos já com imunidade baixa e não é contagiosa, nem para humanos e nem para animais.

Quando causada pelo D. gatoi, causa muita coceira e é contagiosa. O ácaro fica escondido na pele e é difícil de ser localizado, mesmo com exames. Causa, geralmente, queda de pelos.

Para que possamos identificar qualquer um dos tipos apresentados acima ou qualquer outro não citado, é importante que se façam exames no veterinário.

Sintomas da sarna em gatos

Muitas doenças podem ter sintomas parecidos, por isso é importante que, ao surgirem, o gatinho seja levado imediatamente ao médico veterinário. Esteja sempre atento ao comportamento do gato para notar mudanças que indiquem uma doença felina.

Alguns dos sintomas mais comuns da sarna em gatos são:

●        Queda de pelo;

●        Pele avermelhada e, eventualmente, com feridas;

●        Coceira abundante, concentrada em locais específicos;

●        Descamação da pele;

●        Gato lambe partes do corpo com frequência onde tem casquinhas de ferida;

●        Secreção escura no ouvido;

●        Pontos visíveis na região da cabeça e orelhas;

●        Em casos mais graves, até mesmo sangramento pelo ouvido.

Tratamento da sarna felina

O tratamento da sarna varia de acordo com o tipo da doença, mas todos incluem parasiticidas, alguns de forma oral.

Em alguns casos, pode ser necessário o uso de antibióticos ou anti-inflamatórios.

A prevenção inclui usar parasiticidas mensalmente, recomendados previamente pelo seu veterinário de confiança.

Outra forma de proteger seu gatinho é não deixando que ele saia ou tenha contato frequente com animais de rua ou com locais possivelmente contaminados.

Se você adotar um gato, é importante que ele passe imediatamente por um veterinário para a proteção dele próprio, sua e de outros animais na casa.

Artigos Relacionados